quinta-feira, 22 de dezembro de 2011

"Nihil est in intellectu quod ante fuerit in sensu. (Nada está no intelecto que não tenha passado antes pelos sentidos.)" Antigo





Fonte de poder ou destruição são os olhos e como usamos estes , o que queremos ver e o que deixamos de ver determinará a vida que levaremos , pois interpretaremos , diante de todas as nossas e demais fraquezas alheias o que pode ser melhor ou o que pode ser pior e disto , adivirá a alimentação de nossas almas ou sua inanição , portanto , basta saber que tudo é uma escolha...

Luiz Grimaldi



"Nihil est in intellectu quod ante fuerit in sensu"

Sentir a vida significa sentí-la com todos os sentidos e convertê-la para que os sentidos diretos , exteriores , busque ver somente o necessário para viver e no viver , evoluir , sinta a vida , não procure entendê-la , ou definí-la , pois a vida não entende aquilo que você pensa ser , a vida vive de fato aquilo que tu és.


Luiz Grimaldi






Sim e assim quando aprendemos a morrer em vida , quando o sonho não mais sorri e nem a saudosa esperança acena dias melhores , como de fato fazer para ser e viver a vida que abandonou os lábios cerrados , o sorrir mofado e as vãs palavras ? Neste mundo , cercado de vontades incongruentes , de cegos espectros manipuladores , como fazer para encontrar o caminho perdido?
Bastará sorrir falsamente ou quem sabe aceitar tudo de todos e aguardar , quem sabe um caos qualquer que tire o naufrágio de uma vida relembrada no fracasso ? O que de fato vale para tornar o espírito tão salutar que possa viver de verdade uma vida , nem feliz e nem triste , distante das incongruências das contradições ? Deveria o ser deixar-se levar somente pela religiosidade e assim mentir ao próprio deus , em seu falso conformismo ? Não seria de tantas mentiras que nasce a corrupção e esmorece a espontaniedade ? Será que devemos fazer da vida uma pergunta ou quem sabe milhões , ou na atitude da resposta , tomar a estrada e não mais chorar ou lamentar e simplesmente seguir adiante..
Quantos vampiros aguardam e os mesmos estão entre a moral que nem é tão certa e a lei que tem tantas lacunas , deveria de fato a sociedade crescer ou a sociedade é o despojo das vontades inexistentes , das vontades dirigidas ? Como pode o ser alimentar todos os vícios no sentir e manifestar-se e após isto cruzar as mãos e dobrar os joelhos em orações ?
Criador , criador , criador , que luta é esta que travamos com tantos fantasmas , com tanto pó da terra , com tanta ignominia e fuga desta por tanta falsidade ?
Viver , leve e sem medos , sem medo de simplesmente aceitar que não tem o domínio de tudo , de nada e nem dos outros , assim , ao vento navega os sentidos que abrirão os sentidos da alma e o corpo tão simples , tão despojado , tão superior a qualquer consumo , ou insumo de ser um frágil consumidor de inutilidades , papel ou aberração , na absoluta leveza de si mesmo , estará vivo , sim estará vivo...
Decerrar a máscara , esquecer teu nome , amigos ou reflexos da vaidade ? Inimigos ou reflexo negro que negamos , que não queremos ver em nós mesmos ? Amor ou invenção falaciosa ? Luz ou trevas escondidas , posto que não vemos a luz? Vemos quando falta luz ; lindo é o dia de chuva , lindo é o dia de sol , lindo é qualquer dia e tudo mais é perfeito , posto que as lacunas já inexistentes , completa-se o ser e tudo mais será seu reflexo...
E tudo aquilo que não lhe é existente , passa a fluir , passa por seu ser incólume , indestrutível e eterno , na eterna criança anciã...
Não basta dizer , tem que ser , não basta ser tem que estar , portanto , cale tudo aquilo que te nega , olhe para o outro lado , para o lado aonde está a sua vida...


Luiz Grimaldi



Nenhum comentário:

Postar um comentário