quarta-feira, 16 de novembro de 2011

"Abyssus abyssum invocat"


Ausência de percepção , falsa percepção , comodismo perceptivo ou incapacidade perceptiva ?

A natureza tem o poder de renovar-se , assim como o ser humano tem capacidade semelhante , esta regeneração é essencial para manutenção e sobrevivência , tanto do meio quanto do ser , contudo , quando não ocorre a regeneração forma-se um cíclo de toxidade , no meio esse cíclo de toxidade implica na extinção de espécies e no ser implica no assassinato da vida e de todas as possibilidades de evolução...
Por voltas incessantes no labirinto da loucura , dardeja o ser em trapos de carne do que outrora fora a vida e em todas as repetições de seu suplício , secam-se-lhes as lágrimas de seu próprio remorso por matar-se e matar...
Ter razão sem razão e dominar na imperícia de vícios diversos , sendo a vaidade sua rainha das sombras , cristaliza o ser a morte em vida e reflete em sua busca insana o meio ambiente , seu meio social e mesmo seu meio familiar...
Se morta a vida , automática e sem sorrir , procura o patético ser eternizar na temerária ignorância de sua impermanência , suas letais ações , contra si mesmo e outros , pois pensa emprestar da eternidade sua servidão , mas se não sabe ou não quer saber que a morte está mais próxima do que a pele que lhe cobre o corpo , como poderá saber ou perceber a falsa imagem de si que vive...
Adormeça ser , no ciclo de suas próprias ilusões e absoluta ignorância e compare seu adormecer , sua morte em vida , com a morte do meio e atribua a tua alma o mesmo tempo em despertar do próprio meio que destruistes , sinta todo meio adormecido , toda vida natural esgotada , somente rochas e atmosfera cinza , sim , perceba o adormecimento milenar e atribua , calmamante a tua alma o mesmo tempo de renascer ou acordar do sono desperto...
Vida não são somente as células que lhe compõe o corpo , teus pensamentos , teu agir , teu doar ou negar são vidas coexistentes , de todo ato que faz , assim em imagem e semelhança do criador é o ser humano um fluxo de criação constante ou a pior sombra , o pior abismo , assim , por resultado do contexto , converge ou diverge a alma , faz-se necesssário perceber para não perecer...

Luiz Grimaldi

domingo, 13 de novembro de 2011

"Abyssus abyssum invocat"


A palavra lavra e lavra e pelo verbo , engana , cala e desvirtua a atitude...




Luiz Grimaldi



Da divina mistura que se compõe o ser humano , dos seus divinos atributos , a confusão resultante do ordenamento dos mesmos é a consequência inevitável de sua própria vida , podemos mesclar , ou sentimento , ou razão e a pertinência e a impertinência dos instintos , une-se a esta difícil equidade , a luta insana por valores materiais ; posto que não é apenas uma luta de sobrevivência , mas é a luta pela alimentação cega das vaidades humanas , pela necessidade irracional de poder e permanência , aonde o poder reside na essência , assim como a permanência reside na percepção da essência que é a própria alma ...
Da essência somos compostos , mas no reflexo cego de nossas próprias imagens , negamos a essência , negamos o nosso verdadeiro poder realizador e consequentemente , negamos a deus que não poderá ser afirmado em palavras vazias , em ritos ou em qualquer ideologia que afaste o ser da completa equidade , entre o que pensa , entre o que fala e entre o que faz ...
Tão salutar é a sinceridade das tendências humanas , quanto debilitante é a falsa moral e estas mesmas tendências não propendem ao aparente caos que algumas ideologias religiosas pregam , mas propendem ao poder irrestrito da realização do ser , de sua felicidade ...
Se vivemos na mentira , como encontraremos na verdade a realização senão no caos ou no chamado destino , posto assim , destinar-se é ser e estar naquilo que se é verdadeiramente , quem espera , na aleatoriedade encontrar , aquilo que pode encontrar no ordenamento de suas atitudes , espera uma vida sem conquistas , uma vida incidente ...
As sociedades modernas tomam o ser como um insumo patológico de sua fabricação insana , fabricam-se seres doentes , fabricam-se seres desequilibrados , fabricam-se condições absurdas , fabricam-se tendências inexistentes , pobre é o patético diabo , frente a esta tendência , este que é a migalha de uma mitologia reinterpretada e convenientemente transformada encontra-se nas filas dos desempregados ...

Luiz Grimaldi